Tempo suspenso

um filme de Olivier Assayas

105 min., 2024, França, DCP

sinopse

Os irmãos Paul, um diretor de cinema, e Etienne, um jornalista musical, estão confinados na casa de campo da família, no interior da França, junto com suas parceiras Morgane e Carole. Cada cômodo, cada objeto, as árvores do jardim lhes trazem as memórias da infância e seus fantasmas. Uma comédia autobiográfica.

ficha técnica

Roteiro: Olivier Assayas
Fotografia: Eric Gautier
Montagem: Marion Monnier
Som: Romain Cadilhac, Nicolas Moreau,  Sarah Lelu, Olivier Goinard
Produção: Olivier Delbosc, Olivier Assayas
Elenco: Vincent Macaigne, Micha Lescot, Nine D’Urso, Nora Hamzawi.
Título original: Hors du Temps

sobre o diretor

Nasceu em Paris, França, em 1955. Depois de estudar arte e literatura, realizou curtas-metragens, escreveu argumentos (nomeadamente para André Téchiné) e contribuiu com artigos para a Cahiers du Cinéma. Dirigiu mais de 30 filmes entre longas, documentários, curtas e minisséries. Em 2016 foi Melhor Diretor no Festival de Cannes por Personal Shopper.

+ info

Olivier Assayas fala sobre Tempo Suspenso:
 

Sobre o roteiro do filme:

Não procurei o roteiro de Hors du temps; ele veio até mim e não o provoquei. Eu o escrevi em um momento específico: é o final do confinamento e tinha acabado de terminar o piloto e a bíblia da série Irma Vep para a produtora americana A24.
Felizmente, não peguei COVID, mas fiquei com febre por uma semana inteira, cuja origem não sabíamos. Mas eu não tinha nada para fazer, exceto passar o tempo sentado em meu jardim. Então, comecei a escrever em um estado flutuante, como uma espécie de sonho acordado. Logo após o Irma Vep, foi como se eu tivesse me encaminhado para um novo tipo de escrita, que levasse em conta, integrasse ou reapresentasse o que acabamos de vivenciar e que me parecesse extraordinário (no sentido de fora do comum), mas ao mesmo tempo tivesse abandonado à questão de saber exatamente o que fazer com isso.
Comecei escrevendo uma cena, em uma linha autobiográfica bem literal, depois outra em uma linha de comédia e, em seguida, todo o roteiro, em ordem cronológica, sem saber para onde estava indo, sem saber para onde esses personagens estavam indo. Eu não sabia o que aconteceria com eles e não sabia o que faria com essa sucessão de cenas, das quais eu não tinha certeza absoluta que elas dariam um filme.
E talvez também para dar sentido a esse momento de imobilidade. Portanto, esse movimento entre o passado e o presente ficou imediatamente óbvio. Esse era o verdadeiro propósito das anotações que eu estava fazendo. Eu estava na casa da minha infância, minhas lembranças estavam voltando para mim sem que eu tivesse que provocá-las, não vejo como poderia ter escapado delas.
Ao mesmo tempo, esse retorno ao passado me fez pensar no futuro. Estávamos no verão, ainda não havia vacina, e estávamos apenas passando pelos momentos sem realmente saber qual será o próximo episódio.

Sobre ser uma comédia autobiográfica

Eu queria uma comédia. O que acontece entre os personagens, o que os atrai, o que os une, o que os separa, o que os perturba, o que os leva ao limite – em suma, a comédia. Mas uma comédia como a vida é uma comédia, uma mistura de tristeza e alegria, melancolia e escárnio. Tudo isso coexiste de maneira muito óbvia e clara, no fundo, em cada um de nós.
A outra dimensão figurativa é o que quero dizer quando falo de Monet descendo de sua casa em Giverny para pintar os blocos de gelo flutuando no Sena. Ele sai de seu estúdio e monta seu cavalete nas margens do rio para documentar algo excepcional que ele está testemunhando e que está ocorrendo à sua porta. De certa forma, a Covid é um pouco como meus blocos de gelo. Algo acontece comigo, algo aconteceu conosco. Por que deveríamos nos esquivar do óbvio: por termos vivenciado o fato, estamos em uma boa posição para documentá-lo, para representá-lo. E, de certa forma, não se trata tanto de se apropriar dele, mas de confrontá-lo.
É isso que me interessa no que chamamos de História, com letra maiúscula. Esses são eventos para os quais não estamos preparados e que nos forçam a fazer perguntas para as quais não temos respostas prontas.

Sobre o ator Vincent Macaigne interpretá-lo:

Tínhamos acabado de filmar Irma Vep juntos e, da mesma forma, ele se inspirou em mim para inventar um personagem no filme. Era uma espécie de pastiche, ele se apropriou de minhas idiossincrasias, meus padrões de fala, minha linguagem corporal. Não somos nada parecidos fisicamente, então gostei do fato de haver essa distância que me permitiu ser livre em termos de como ele me representava. Porque, na verdade, eu não me reconheço tanto assim. Na verdade, sou a última pessoa que pode dizer quando Vincent está me imitando ou não. Me disseram isso, então acredito.
E é o terceiro filme que fazemos juntos, então há obviamente uma cumplicidade. Em uma relação com o cinema que é ao mesmo tempo divertida e muito séria. Em uma maneira de nos movimentarmos livremente, de proteger nossa independência de movimento. Sem perder uma certa autoimagem. Mas sem nunca temer a seriedade ou mesmo a gravidade quando se trata disso. Consegui imaginar esse filme, na forma de uma comédia autobiográfica, porque sabia que poderia fazê-lo com Vincent, como uma extensão de um trabalho no qual nós dois já havíamos nos orientado. Da mesma forma, nunca imaginei Nora Hamzawi para a personagem Nora. Este é o terceiro filme que fazemos juntos. Não precisamos mais dizer coisas um ao outro para nos entendermos. Nora é um elétron livre e sei que quanto mais liberdade e espaço eu der a ela, mais ela dará ao seu personagem. Assim como Vincent, ela se move com fluidez entre a comédia e a pura fantasia.

Sobre Etienne, interpretado por Micha Lescot, ser o contraponto de Paul, interpretado por Vincent Macaigne.

Sim, há um paradoxo que mantém o filme em andamento do início ao fim. É o fato de Micha ser mais parecido comigo do que com Vincent. Sempre brinquei com uma certa ironia a meu respeito - eu me apresento como muito neurótico, mas mais neurótico do que realmente sou (e mais personagem de comédia do que realmente sou).
No entanto, fui muito mais cauteloso quando se tratava de retratar meu irmão, porque queria fazê-lo da maneira mais benevolente possível. De certa forma, havia coisas que eu me permitia com o personagem de Vincent que não me permitia com o personagem de Micha, que, com modéstia e tato, estava sempre no limite.
Foi a primeira vez que filmei Micha, por isso foi um verdadeiro encontro, e ele integrou-se graciosamente num filme em que a maior parte do elenco e da equipa eram uma família que tem estado comigo de um filme para o outro, alguns deles há muito tempo.

Como foi fazer um filme autobiográfico em casa.

Para ser sincero, eu estava com medo. Além do inconveniente material, que não é insignificante, de ter uma equipe de filmagem em sua casa, em sua privacidade. No final, foi melhor do que eu temia. Em alguns momentos, tive distância suficiente para me sentir um pouco como o cenógrafo do meu próprio filme. Dito isso, em retrospecto, ainda há algo de estranho nisso. Frequentemente, e talvez sempre, falo sobre fantasmas em meus filmes. E este é um filme que é realmente assombrado. Nem Paul nem Etienne estão em casa, eles estão na casa dos pais e insistem em estar na casa dos pais. Mas o relacionamento deles com esses fantasmas é diferente. Etienne reformou seu quarto para se livrar do passado. Ele o modernizou. Ele o trouxe de volta ao presente. Paul, por outro lado, tem uma relação não resolvida com o passado. E, em vez de se distanciar dele, ele faz o oposto: trabalha em si mesmo para mergulhar no passado e passar a habitar o quarto de sua mãe.
Há algo de literal nesse preâmbulo de fantasmas. Estamos em uma casa, um cenário, se preferir, onde todos os objetos, inclusive os mais irrisórios, são habitados por mim; não necessariamente pelo público, embora eu ache que eles sintam isso de outras maneiras. Eu vivi com esses objetos, eu os conheço, sei de onde eles vêm, sei quando meu pai os comprou. Meu pai viajou muito pelo Oriente e colecionou arte asiática. Às vezes, eu até me lembro das caixas em que eles vieram.
Há momentos em que isso é ainda mais literal. Na sala de estar, há um autorretrato de meu avô, um retrato de minha avó feito por meu avô e, em seguida, uma criança, minha mãe, ainda menina, pintada por seu pai. Essas três imagens datam da década de 30 do século passado.
Esse trio, com quase um século de diferença - meu avô, minha avó e minha mãe – assombram o filme. E, sem dúvida, essa dimensão é a que mais me emociona, porque desfoca o tempo e o espaço.

filmografia

2022 Irma Vep (minissérie) - Cannes Première - Festival de Cannes
2019 Wasp Network: Rede de Espiões (Competição - Mostra de Veneza)
2018 Vidas duplas (Doubles Vies / Competição - Mostra de Veneza)
2016 Personal Shopper (Melhor Diretor - Festival de Cannes)
2014 Acima das Nuvens (Sils Maria / Competição - Festival de Cannes)
2012 Depois de maio (Après-Mai / Competição - Mostra de Veneza)
2010 Carlos, o Chacal (Golden Globe – Melhor minissérie)
2008 Horas de verão (L’heure D’été)
2008 Eldorado (Doc)
2007 Boarding Gate (Festival De Cannes)
2005 Noise (Doc)
2004 Clean (Competição - Festival de Cannes)
2002 Demonlover (Competição - Festival de Cannes)
2000 Os destinos sentimentais (Les Destinées Sentimentales /Competição - Festival de Cannes)
1999 Fin Août, Début Septembre (Competição - Festival San Sebastian)
1997 Hhh - Portrait De Hou Hsiao-Hsien (Doc)
1996 Irma Vep (Un Certain Regard - Festival de Cannes)
1994 Água fria (L’eau Froide / Un Certain Regard - Festival de Cannes)
1993 Une Nouvelle Vie
1991 Paris S’éveille  (Prix Jean Vigo)
1989 A criança do inverno (L’enfant de L’hiver)
1986 Desordem (Désordre)

festivais

- Berlinale 2024 - Competição

fotos