Il Buco

um filme de Michelangelo Frammartino

93 min., 2021, França/Itália/Alemanha, DCP

sinopse

Durante o boom econômico da década de 1960, o edifício mais alto da Europa está sendo construído no próspero norte da Itália. Do outro lado do país, jovens espeleólogos exploram a caverna mais profunda da Europa no intocado interior da Calábria. O fundo do Abismo Bifurto, 700 metros abaixo da Terra, é alcançado pela primeira vez. A aventura dos intrusos passa despercebida pelos habitantes de uma pequena aldeia vizinha, mas não pelo velho pastor do planalto de Pollino, cuja vida solitária começa a se entrelaçar com a jornada do grupo.

ficha técnica

Roteiro: Michelangelo Frammartino, Giovanna Giuliani
Fotografia: Renato Berta
Montagem: Benni Atria
Som: Simone Paolo Olivero
Produção: Marco Serrecchia, Michelangelo Frammartino, Philippe Bober
Elenco: Paolo Cossi, Jacopo Elia, Denise Trombin, Nicola Lanza
Título original: Il Buco
Classificação indicativa: Livre

sobre o diretor

Michelangelo Frammartino nasceu em 1968, em Milão, na Itália. Seu primeiro longa foi Il Dono que estreou no Festival de Locarno, em 2003. O segundo longa foi Le Quattro Volte exibido na Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes, em 2010. O filme ganhou o prêmio Europa Cinemas de “Melhor Filme Europeu” em Cannes, e o prêmio principal do CPH: DOX. Em 2013, a instalação Alberi, um loop de 26 minutos, estreou no MoMA e foi posteriormente exibida em outros museus, incluindo no Centre Pompidou.

+ info

Declaração do diretor:

O INÍCIO DO PROJETO
Quando eu estava filmando LE QUATTRO VOLTE em Alessandria del Carretto, o prefeito da cidade, Antonio La Rocca (Nino), ele próprio um espeleologista, me ajudou com a localização. Ele muitas vezes dizia-me como era maravilhoso o Pollino. Ele pensou que eu estava muito focado sobre o culto arbóreo na época - e queria que eu me dedicasse ao menos um dia inteiro para visitar a área. 

O Pollino, um maciço nos Apeninos do sul, na fronteira entre Basilicata e Calábria, é um território vasto e fascinante. Onde tem desfiladeiros, sulcos profundos por onde passam os rios. Sua natureza e fauna são extraordinárias, incluindo águias douradas, grifos e lobos. Para me convencer da beleza do Pollino, Nino primeiro me levou a entrada do Bifurto. Para alguém como eu, que não é um espeleólogo, parecia apenas um mero buraco no chão. Localizado no meio de um matagal mediterrâneo bastante comum, não foi particularmente fascinante. Lembro-me de olhar para ele com incredulidade.

Ele começou a explicar como o havia detectado. Como ele gastou anos de sua vida lá mapeando-o, usando os sistemas antigos - com a costela e um clinômetro. Como ele havia entrado centenas e centenas de vezes, para fazer o levantamento perfeito. Como ele havia dormido e comido lá. Ele havia deixado parte de sua juventude lá. Claro, este lugar tinha um significado muito especial para ele. comecei a entende-lo. Nino jogou uma pedra no buraco e lembro que demorou cerca de 3, 4 segundos para a pedra bater em alguma coisa. Parecia que o pedra estava fora de sincronia. Então eu realmente entendi. Isso foi em 2007.

Em 2016, Nino organizou uma campanha exploratória para tentar desbloquear o “trabuco”, o que eu havia pensado anteriormente como o buraco no chão. Passei algumas semanas junto com o grupo de espeleólogos, cavando e me questionando. Lá, eu conheci o velho Giulio Gècchele (82 anos) que liderou a primeira expedição em 1961. Ele era uma inspiração.

Em 1961, enquanto o boom econômico global estava em pleno andamento na Itália, Giulio Gècchele e seu jovem Grupo Espeleológico, do Piemonte, foram dedicados a um ato totalmente gratuito. Em oposição à tendência da trajetória imparável em direção ao céu, eles começaram uma expedição espeleológica, que terminou com eles subindo um nicho, um buraco, uma rachadura na Terra, e deslizando até uma profundidade de cerca de 700 metros. No fundo da península italiana, descobriram a segunda caverna mais profunda do mundo, o Abismo de Bifurto. O registro era desconhecido até mesmo para os exploradores.

Nos mesmos meses, o monumental arranha-céu Pirelli; um vertiginoso exemplo de arquitetura, foi concluído. O prédio foi salpicado sobre as notícias, recebendo ampla cobertura da mídia e rapidamente se tornou um símbolo chamativo da Itália tendo alcançado o objetivo vertical mais alto. No entanto, a descoberta dos espeleólogos não foi divulgada e permaneceu tão obscura quanto o submundo escuro em que foi concluído.

 

filmografia

2021 - Il Buco
2013 - Alberi (curta)
2010 - Le Quattro Volte
2003 - Il Dono
2002 - Io non posso entrare (curta)
2001 - Scappa Valentina (curta)
1997 - L'occhio e lo spirito (curta)
1995 - Tracce (curta)

festivais

Veneza 2021 – Competição oficial - Prêmio Especial do Júri

trailer

fotos

poster