O Acontecimento

um filme de Audrey Diwan

100 min., 2021, França, DCP

sinopse

França, 1963: uma sociedade que censura os desejos das mulheres. E o sexo em geral. A história de Anne, uma jovem que decide abortar para terminar seus estudos e escapar das restrições sociais de uma família operária. Esta história simples, segue o itinerário de uma mulher que decide ir contra a lei. Anne tem pouco tempo pela frente. Seus exames estão chegando, e sua barriga está crescendo...

ficha técnica

Roteiro:  Audrey Diwan, Marcia Romano. Baseado na obra de Annie Ernaux.
Fotografia: Laurent Tangy
Montagem: Géraldine Mangenot
Música: Evgueni Galperine, Sacha Galperine
Produção:  Alice Girard, Edouard Weil
Elenco: Anamaria Vartolomei, Luana Bajrami, Louise Orry-Diquero, Kacey Mottet Klein, Louise Chevillotte, Pio Marmaï, Sandrine Bonnaire
Título oem inglês: Happening
Título original: L'événement
Classificação indicativa: 16 anos

sobre o diretor

Audrey Diwan, nasceu em 1980, é uma cineasta francesa de origem libanesa. Antes de se tornar diretora de cinema, trabalhou como jornalista e roteirista. Ela é membro do Collectif 50/50, uma ONG francesa que promove a igualdade entre homens e mulheres na indústria cinematográfica. Seu primeiro longa foi Mais vous êtes fous, de 2019.

+ info

Parte da entrevista com Aurdey Diwan

*retirada do material de divulgação do filme

O que a levou a adaptar o romance HAPPENING de Annie Ernaux?
Conheço o trabalho de Annie Ernaux há muito tempo: o poder de seu pensamento e a pureza de seu estilo. Mas cheguei tarde para O ACONTECIMENTO. Fiquei impressionada com a dicotomia entre a fórmula banal: aborto clandestino e a realidade concreta do procedimento. Meus primeiros pensamentos foram para o corpo desta jovem mulher, o que deve ter sofrido desde o momento em que lhe disseram que estava gravida. E o dilema que ela enfrentava. Arriscar vida e abortar, ou ter o bebê e sacrificar seu futuro. Corpo ou mente. Eu não gostaria de escolher. Todas aquelas perguntas foram levantadas concretamente no texto inicial. Tentei traduzi-las para imagens: um processo carnal que me permitiria transformar a narrativa em
uma experiência física. Em uma viagem, que espero ser possível, além das considerações de período ou gênero.

Você discutiu sua abordagem ao romance com Annie Ernaux?
Sim, desde o início. Eu queria tanto respeitar o livro quanto encontrar meu próprio lugar nele, um caminho estreito, mas essencial. Primeiro, passamos um dia juntas, durante o qual Annie Ernaux concordou em revisitar esses dias em detalhes. Ela lançou luz sobre os pontos cegos no texto para me dar uma ideia mais precisa do contexto político, para que eu pudesse entender o medo que tomou conta das mulheres no momento de decisão. Quando Annie Ernaux chegou no exato momento de seu aborto, seus olhos se encheram de lágrimas, ao se lembrar do que a sociedade havia forçado a ela quando jovem. Eu estava inquieta com a intensidade de sua dor. Frequentemente lembrei disso, enquanto escrevia. E então eu pedi a ela para ler o vários rascunhos do roteiro. Ela me ajudou a encontrar uma abordagem mais honesta. E essa abordagem me guiou durante todo o todo o making of... Cada post – design de arte, figurino, maquiagem – respeitaram essas orientações. E logo antes da filmagem, Annie Ernaux me enviou esta citação de Chekhov: "Seja preciso, o o resto virá no devido tempo."

Por que adaptar este romance hoje?
Suspeito que esta questão será levantada regularmente, o que devo dizer me surpreende. Duvido que a mesma pergunta seja sistematicamente perguntada às pessoas que decidem fazer um filme de época, para lidar com uma questão social ou política passada. E quando eu uso a palavra “passado” estou deixando de fora todos os países em que a lei ainda não permite o aborto. HAPPENING habita um período da nossa história que raramente é retratado. Mas, a meu ver, um filme não pode se limitar ao assunto. Caso contrário, por que não fazer um documentário? Com HAPPENING, eu queria sondar sentimentos, focar no suspense íntimo que aumenta à medida que a história avança. Enquanto o os dias passam, o horizonte encolhe e o corpo se torna uma prisão. Mas o aborto não é nosso único assunto. Minha protagonista Anne é uma renegada social. Ela vem de uma família da classe trabalhadora. Ela é a primeira a entrar na universidade. O ambiente do corpo docente parece mais burguês, com códigos morais mais rígidos. Anne se move para trás e para trás de um mundo para o outro, mantendo um segredo que poderia frustrar todas as suas esperanças. Aos vinte, você já está procurando seu lugar no mundo. Como você faz isso quando o seu próprio futuro está permanentemente em risco?

Como você escalou Anamaria Vartolomei, que está em todas as sequências do filme e muitas vezes em close-up extremo?
Desde nossas primeiras audições, Anamaria Vartolomei teve o direito físico para o papel. E então havia outra coisa, misteriosa e poderosa: sua pele diáfana, sua visão interior de mundo difícil de decifrar e cativante ao mesmo tempo. Ela se comunica muito usando meios mínimos. Ela é uma atriz minimalista. Sou muito sensível ao seu tipo de delicadeza. Começamos definindo a personagem em termos de seu corpo. Pela postura. Eu ficava repetindo: “Anne é um soldado”, ela mantém um baixo perfil, com os pés no chão, olhando para frente, pronta
para assumir o mundo. Ela precisa viver com seu status de renegada. Com o que significa ter os olhos de todos em você, com a sociedade pesando você. Anamaria forjou inteligentemente a armadura do caractere necessário.

Uma carta por Annie Ernaux

“O FILME NÃO DISCUTE, JULGA OU MESMO DRAMATIZA.”

Saí da exibição de HAPPENING muito emocionada. A única coisa que eu poderia dizer para Audrey Diwan foi: “Você fez um filme verídico”. Por verdadeiro eu quis dizer o mais próximo possível do que significava para uma menina engravidar na década de 1960, quando a lei proibia e punia o aborto. O filme não discute, julga, ou mesmo dramatiza. Acompanha o cotidiano de Anne como estudante desde o momento em que espera por sua menstruação, em vão, até que sua gravidez seja interrompida. Em outras palavras, é contado por meio do ponto de vista de Anne; seus gestos, seu comportamento com os outros, seu jeito de andar, seus silêncios, tudo transmite essa súbita crise em sua vida, à medida que seu corpo fica mais pesado e ela anseia por alimentos isso só vai aborrecê-la. Ele transmite o horror indescritível da passagem do tempo – como postado em tela em termos de semanas - e a desordem e desânimo quando todas as outras soluções falha. Mas também mostra determinação para ver as coisas até o fim. E quando tudo estiver dito e pronto, e Anne está mais uma vez cercada por outros alunos, seu sereno e luminoso rosto reflete sua convicção de que o futuro mais uma vez pertence a ela. Não consigo imaginar ninguém além de Anamaria Vartolomei interpretando Anne e, em certo sentido, jogando comigo aos 23 anos. Ela é esmagadoramente verdadeira e direta, pelo que me lembro das coisas. Mas eu não acho que eu teria achado o filme tão absolutamente fiel à vida, se ele tivesse ofuscado o que as mulheres recorreram antes da passagem do “Loi Veil”, em 1975, lei que descriminaliza o aborto na França. Audrey Diwan teve a coragem de mostrá-lo em toda sua realidade brutal: as agulhas de tricô, a sonda introduzida no útero por um aborteiro. Somente essas imagens perturbadoras podem nos tornar conscientes dos horrores que foram perpetrados nos corpos das mulheres, e o que significaria um passo para trás. Vinte anos atrás, no final do meu livro, escrevi que o que aconteceu comigo durante aqueles três meses em 1964, foi a “experiência total” do meu corpo dos tempos e da sua moral… proibição do aborto e depois a nova legislação. Isso é exatamente o que Audrey Diwan mostra e transmite em seu filme.

filmografia

2021 - L'événement
2019 - Mais vous êtes fous

festivais

Mostra de Veneza 2021 - Leão de Ouro – Melhor Filme

hoje nos cinemas

SEMANA DE 04/08/2022 A 10/08/2022

ESTREIA

>>BELÉM

Cine Líbero Luxardo
04/08 ( quinta) - 18h
05/08 (sexta) - 20h
06/08 (sábado) - 16h10
07/08 (domingo) - 18h
09/08 (terça) - 20h
10/08 (quarta) - 16h10

CONTINUAÇÃO

>> PORTO ALEGRE

Cinemateca Paulo Amorim
17H

Próxima estreia

Manaus (Casarão de Ideias) – 11/08

trailer

fotos

poster